terça-feira, 19 de setembro de 2017

Celso Junior comemora 30 anos de carreira com espetáculo inédito

'A persistência das últimas coisas' estreia no final de setembro no Teatro Vila Velha

 




Quando um diretor e ator completa 30 anos de carreira o que há de melhor a se fazer para celebrar esse momento senão montar um espetáculo? Celso Junior, que há três décadas subia pela primeira vez profissionalmente em um palco, comemora o momento dirigindo o espetáculo 'A persistência das últimas coisas', que entra em cartaz no Teatro Vila Velha a partir de 28 de setembro.

A peça é uma versão brasileira para um texto argentino do autor Juan Ignacio Crespo e tem no elenco o vencedor do Prêmio Braskem 2017 de Melhor Ator, Igor Epifânio, além dos atores Vinicius Bustani e Paula Lice. "Assisti à montagem original, no pequeno Teatro Vera Vera, em Buenos Aires, em 2014, sob a direção do próprio Juan e fiquei bastante entusiasmado com o texto", lembra Celso.

Ele conta que assim que chegou ao hotel na capital da Argentina, entrou em contato com Juan pedindo para usar o texto no repertório de estudos sobre dramaturgia contemporânea. Foi aí que surgiu o desejo de montar.  "Assim que li a peça em espanhol, comecei a pensar numa possível montagem brasileira", afirma.

A história

'A persistência das últimas coisas' estreou em Buenos Aires em 2014 e traz para a cena os conflitos de Federico, vivido por Vinicius Bustani, um rapaz inconformado com término de seu namoro com outro rapaz, interpretado por Igor Epifânio. Além disso, Federico tem uma amiga e confidente que o ajuda a recompor um painel de emoções, que é vivida por Paula Lice. "Lembranças, criações da imaginação e abandono se alinham para criar um retrato fragmentado e não-linear da vida afetiva desse jovem contemporâneo e urbano", explica Celso.

A peça é centrada em Federico, que está abalado pelo fim de um  relacionamento, mas continua obcecado pelo ex-namorado a ponto de contratar um detetive particular para o investigar. O ex surge, então, como uma representação da memória e fruto da imaginação dele. Já a amiga é uma confidente e também uma espécie de consciência expandida da personagem principal.

"'A persistência das últimas coisas' tem uma poética e temática interessantes, trata de assuntos absolutamente universais como o amor e a sua perda", aponta o diretor. "Me interessa também a tomada de consciência da personagem que percebe que o fracasso amoroso é uma representação da sua mortalidade: terminar um relacionamento é morrer um pouco, é se aproximar do fim", completa.

O diretor


Celso conta que, apesar de já ter escrito alguns textos para teatro, nunca chegou a colocá-los em cena. "Num certo sentido, como encenador e intérprete, me sinto impulsionado a oferecer textos desconhecidos de autores inéditos ou consagrados", diz. Em 30 anos, adaptou clássicos como 'Médico a pulso', de Molière, 1999, 'Desgraças de uma criança', de Martins Pena, 2007, 'Sonho de uma noite de verão', de William Shakespeare, 2016, e 'Preciosas ridículas', também de Molière, em 2009. Também montou textos inéditos de sucesso como 'Quem matou Maria Helena?' e 'Jingobel', de Claudio Simões e 'O cego e o louco', de Cláudia Barral. "Me sinto compelido a apresentar ao público autores desconhecidos, textos instigantes que me atraem por sua qualidade poética ou pela temática que eles abordam", completa.

'A persistência das últimas coisas' fica em cartaz entre os dias 28 de setembro e 8 de outubro, sempre de quinta-feira a domingo. De quinta a sábado às 20h e aos domingos às 19h, no Teatro Vila Velha, no Passeio Público. Os ingressos custam  R$ 20 (inteira) /R$10 (meia) e podem ser comprados antecipadamente até dia 27 de setembro através do link: www.ingressorapido.com.br/compra/?id=59189#!/tickets. Nos dias de espetáculo, o valor do ingresso será R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). A peça é indicada para maiores de 18 anos.

SERVIÇO
O quê: espetáculo teatral: A persistência das últimas coisas
Onde: Teatro Vila Velha
Quando: de 28 de setembro a 8 de outubro, quinta a domingo
Horários: quinta a sábado: 20h / domingo – 19h
Quanto: R$ 20/R$ 10, nas compras até 27 de setembro
                  R$ 30/R$ 15, nos dias de espetáculo
Duração: 70 min
Classificação etária: 18 anos

FICHA TÉCNICA
Texto: Juan Ignacio Crespo
Tradução: Celso Jr.
Elenco: Igor Epifânio, Paula Lice e Vinícius Bustani
Cenografia: Rodrigo Frota e Erick Saboya
Figurinos: George Vladimir
Iluminação: João Sanches
Sonoplastia: Celso Jr.
Mediação: Isabela Silveira
Assessoria de comunicação: Daniel Silveira
Produção e direção: Celso Jr.

Grupo Domo, de Brasília, realiza curta temporada em Salvador

Espetáculo teatral “Manhã” pode ser conferido de 22 a 24 de setembro no Teatro Vila Velha

 
Após uma trajetória de sucesso, chega a Salvador o espetáculo teatral Manhã, do Grupo Domo, de Brasília. A montagem, que se apresenta nos dias 22, 23 e 24 de setembro (sexta e sábado, 20h, e domingo, 19h) propõe uma viagem poética, sensorial e envolvente, para falar sobre as relações humanas e, ao mesmo tempo, lembrar que amor é sempre amor, independente de credo, sexo e tradição.

O conflito entre o mundo como aspiramos e como na realidade ele se apresenta, dá o tom maior do enredo, construído a partir da relação entre dois homens, que se amam e procuram, em um momento crise, compreender-se para reencontrar um vínculo mais duradouro e verdadeiro. A peça se passa durante apenas uma noite na vida desses amantes, uma madrugada repleta de surpresas e decisões até o amanhecer, que traz a luz renovada, a claridade e a possibilidade de se fazer e ser o novo. A relação homoafetiva faz o pano de fundo da trama, mas os temas abordados são universais.

Com texto de André Garcia, a montagem do espetáculo “Manhã” envolveu um ano de trabalho contínuo, em um processo aprofundado de pesquisa e criação. A encenação tem como proposta revelar em cena os aspectos objetivos e subjetivos dos personagens para compor atmosferas variadas, emocionais e simbólicas. Os dois atores principais são auxiliados por dois atores “sombras”, duas figuras vestidas de branco, que movimentam a estrutura cenográfica e os objetos de cena - ou até os próprios atores -, participando como “motores” de toda a encenação. Esses atores são uma releitura da figura do “kôken”, do teatro Noh japonês, além de se tornarem personagens “curinga” ao longo do espetáculo.

Tendo sido contemplado com o Prêmio FUNARTE Mirian Muniz em 2012, o espetáculo já passou pelas capitais Porto Alegre, Belo Horizonte, São Paulo, além de Brasília. O espetáculo também foi selecionado para os festivais nacionais de teatro de Taubaté e Araçatuba, no interior de São Paulo, recendo cinco indicações a prêmios. Desta vez, o espetáculo vem a Salvador patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal, que incentiva a divulgação dos artistas de Brasília no cenário nacional. Além de Salvador, esta turnê ainda inclui as cidades de Belém, Rio de Janeiro e Florianópolis.

Acessibilidade

Além de disponibilizar programas em braile, o espetáculo ainda promove a acessibilidade de portadores de necessidades especiais oferecendo aparelhos de audiodescrição para deficientes visuais, durante as sessões e uma visita guiada ao cenário, 30 minutos antes do espetáculo. Para reservar o aparelho ou agendar a visita guiada, basta entrar em contato com a produção do espetáculo, através do e-mail: contato@grupodomo.art.br

Sobre o Grupo Domo

O Grupo Domo, fundado em abril de 1994 pelo ator e diretor André Garcia, vem contribuindo com a cena teatral brasiliense, desenvolvendo uma linha de pesquisa própria, baseada em um teatro autoral e reflexivo, sempre aberto à experimentação, com enfoque no constante aperfeiçoamento do trabalho físico, sensível e vocal do ator. O aspecto autoral realiza-se pela montagem de textos inéditos, escritos pelos integrantes, conferindo atualidade a cada montagem, o que permite o diálogo com o contexto estético, social e histórico contemporâneo. O viés reflexivo do grupo nasce da concepção do teatro como uma arte vasta, múltipla e comunicativa, capaz de pôr em foco aspectos de nossa condição social e humana, levando-nos a outros espectros de percepção de nós mesmos. André Garcia tem em seu currículo as performances O Grito (1995), O Grande Dormitório (1998), As Lavadeiras (2000), Dos Anjos e de Todos Nós (2003) e O Julgamento (2008).

Serviço

“Manhã”- espetáculo teatral Grupo Domo
Data: 22 a 24 de setembro
Horário: sexta e sábado às 20 horas e domingo às 19hs.
Local: Teatro Vila Velha
Ingressos: R$20,00 (inteira)

Classificação Indicativa: 16 anos.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

10ª edição do Festival VILERÊ tem como temas arte e tecnologia



Com programação voltada para crianças e jovens, evento ocupa o Teatro Vila Velha e o Passeio Público entre 23 de setembro e 12 de outubro, com teatro, música, jogos, oficinas, bate-papos e exposições

 Espetáculo "ES.CA.PE 3.0", que mistura games e teatro, é uma das atrações



Entre os dias 23 de setembro e 12 de outubro, o Teatro Vila Velha realiza a 10ª edição do VILERÊ, festival para crianças e jovens que em 2017 traz como tema “Brincando com artes e tecnologias”. Na programação, que ocupa o Teatro Vila Velha e também o Passeio Público, estão espetáculos de teatro, apresentações musicais, além de bate-papos, oficinas e exposições. 

"O festival coloca a criança e o jovem no centro da sua proposta, não somente como público, mas como agente de reflexão e transformação do espaço urbano e social que o cerca, resgatando nesse universo lúdico e criativo o fazer coletivo tão próprio ao fazer teatral”, reflete a diretora teatral Chica Carelli, que coordena e assina a curadoria do VILERÊ ao lado da diretora e arte-educadora Débora Landim e do dramaturgo e game designer Victor Cayres.

A abertura do festival acontece no sábado, 23 de setembro, às 16h, com o projeto NEOJIBA - Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia, através do Núcleo Liberdade, que oferece ao Teatro Vila Velha o concerto “Bem vindos à Orquestra!!!”. Com músicas que vão do repertório popular brasileiro até Beethoven, a orquestra formada por crianças e jovens de 6 a 20 anos de um dos mais tradicionais bairros de Salvador, apresenta o mundo orquestral de forma interativa e bem-humorada, dialogando com a proposta de todo o festival VILERÊ: provocar diversão e interatividade.

A programação segue com um panorama de espetáculos de coletivos artísticos baianos produzidos especialmente para o público infanto-juvenil: “Pindorama, Antes de Chamar Brasil” (24/9, 16h), da Aldeia Coletivo Cênico; “Caderno de Rimas do João e Sem Rimas da Maria” (30/9, 11h), montagem em processo da Companhia Novos Novos; Sobre o Menino Que Queria Voar” (30/9, 16h), peça da Lucai Artes Integradas; “Sancho Pança – O fiel escudeiro” (1/10, 16h), da Tropa Trupe de Natal (RN); “De Sol, de Céu e de Lua” (8/10, 11h), espetáculo do Teca Teatro e Baú Produções voltado para bebês a partir de 6 meses; “ES:CA:PE 3.0” (7/10, 16h, e 8/10, 15h30), produção da ERA Game Studio e da Bêabá Produção e Marketing que mistura teatro, jogos e tecnologia; e “O Cordel de Maria Cin-DRAG-Rela” (12/10, 11h), montagem dos grupos Teca Teatro e Haus of Gloom.

“O Cordel de Maria Cin-DRAG-Rela” integra a programação de peças

A 10ª edição do VILERÊ convida o público para o bate-papo “Brincando com artes e tecnologias”, com a participação de Nelson Pretto, ativista, professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia com pesquisa em internet, educação e cibercultura; Beth Rangel, gestora cultural e professora da Escola de Dança da UFBA; e Lynn Alves, professora da Universidade do Estado da Bahia que atua em pesquisas em jogos eletrônicos, interatividade e educação. A conversa, aberta ao público, acontece no Teatro Vila Velha, no dia 7 de outubro, sábado, às 14h.

O Passeio Público e o Teatro Vila Velha recebem duas exposições interativas, que permanecem abertas nos finais de semana, antes dos espetáculos do VILERÊ. Na área externa, pneus, elásticos e materiais reciclados são utilizados para construir grandes brinquedos, possibilitando o resgate do Passeio Público como um espaço de convivência e diversão coletiva. Já no foyer do teatro, a exposição tem como tema os cinco sentidos, que são estimulados a partir de diferentes experiências. As exposições são realizadas em parceria com o Centro Técnico do Teatro Castro Alves.

Diversas oficinas acontecem abordando conexões entre as linguagens artísticas, a tecnologia e a cidade. São elas: "Teatro, Câmera, Ação!", com Débora Landim, voltada para crianças de 5 a 12 anos;Oficina Musas de Grafitti Art com Bigod para crianças a cima de 8 anos; "Nossos Mundos no Minecraft", com Leandro Correia, com turmas para crianças de 6 a 9 e adolescentes de 10 a 14; "Circo em Família", com Luana Serrat, para crianças a partir de 5 anos junto às famílias; "Dança, brincadeira, brinquedos e tecnologia", com Janahina Cavalcante, para crianças de 7 a 12 anos; e "Práticas Gamificadas para a infância", com Victor Cayres e Marcelle Minho, para jovens a partir de 16 anos e adultos. As datas, horários e  valores estão disponíveis nos site www.teatrovilavelha.com.br.

Show "Rock in Family" embala o VILERÊ EM FESTA, que encerra a programação

Para encerrar o festival, acontece no dia 12 de outubro, data em que se comemora o Dia das Crianças, o VILERÊ EM FESTA, que homenageia o professor e jornalista Adroaldo Ribeiro Costa, fundador da instituição cultural Hora da Criança. Na data, acontece a Mostra das Oficinas, contação de histórias promovida pela editora Caramurê e show de encerramento com o espetáculo cênico musical Rock Family, com repertório que reúne de clássicos do rock’n’roll nacional e internacional .


PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

Bem vindos à Orquestra!!!
NEOJIBA Liberdade
23/09 // sábado // 16h
classificação indicativa: livre
valor do ingresso: R$ 30 e R$ 15
duração: 1h

O Núcleo Liberdade do NEOJIBA apresenta suas boas vindas às crianças e suas famílias ao mundo fantástico da orquestra. Com músicas que vão do repertório popular brasileiro até Beethoven, a orquestra formada por crianças e jovens de um dos mais tradicionais bairros de Salvador apresenta o mundo orquestral de forma interativa e bem-humorada. Com crianças a partir de 6 até jovens de 20 anos, o Núcleo Liberdade iniciou suas atividades em 2016 oferecendo à comunidade do bairro aulas de iniciação musical e canto coral. Hoje conta com formações musicais próprias e mais de 60 integrantes que se dividem em violinos, violas, violoncelos, contrabaixos, flautas doce, e outros instrumentos de sopro, além da percussão. Para o VILERÊ, festival do Teatro Vila Velha, a Orquestra NEOJIBA Liberdade preparou um concerto onde leva a orquestra para perto das pessoas, fazendo lembrar as filosofias do programa: “Aprende quem ensina” onde os integrantes são orientados a multiplicar o conhecimento para toda a comunidade; e “Lugar de plateia é no palco” que busca trazer a orquestra cada vez mais perto do público e vice-versa. O NEOJIBA é uma ação da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) do Governo do Estado da Bahia, que conta com 12 Núcleos na capital e no interior do Estado, entre eles o Núcleo Liberdade.
Pindorama, Antes de Chamar Brasil
Aldeia Coletivo Cênico
24 de setembro | domingo | 16h
duração: 45min
classificação indicativa: LIVRE
valor de ingresso: R$ 30 e R$ 15

Pindorama vem de Pindó-rama que significa “terra, lugar ou região das palmeiras”. Para algumas tribos tupis, Pindorama é uma terra encantada, livre dos males. Durante as antigas migrações, foram formadas diversas tribos nessa região, até à “Invasão de Pindorama”, também conhecida como “descoberta do Brasil”. A peça expõe a formação da identidade do povo brasileiro com base na matriz cultural dos povos indígenas, utilizando como ferramenta lendas e contos que compõem o imaginário mítico dos
povos desta terra.

Caderno de Rimas do João e Sem Rimas da Maria
Trabalho em processo da Cia Novos Novos
30 de setembro // sábado// 11h
pague quanto quiser
duração: 1h
classificação: livre

"Caderno de rimas" é o resultado de um processo criativo que consistiu na leitura, adaptação para texto de teatro e montagem cênica do livro infantil “Caderno de Rimas de João”, escrito pelo ator baiano Lázaro Ramos e publicado em 2015 pela Pallas Editora, e do texto inédito “Caderno de rimas da Maria sem rimas”, do mesmo autor. O livro de poemas surgiu da necessidade de Lázaro Ramos de explicar ao seu filho, na época com 4 anos, alguns conceitos com os quais é necessário lidar, não só durante a infância, mas por toda a vida; como amor, saudade, pai, mãe, morte, etc. Desse modo, como em um dicionário, as palavras se organizam em verbetes através dos quais as explicações são escritas em verso para o público infantil. Já o segundo livro, ainda não publicado, tem como motivação a criação de um texto sem rimas para a sua segunda filha, partindo do princípio de que ela não precisa trilhar os mesmos passos do irmão. A escrita em prosa funciona, portanto, como diferencial em relação ao livro anterior, de teor mais lírico. A peça busca traduzir para a linguagem cênica o lirismo e a ludicidade do texto de Lázaro Ramos relido pelo elenco de crianças e jovens da Companhia Novos Novos sob a encenação de Débora Landim.

Sobre o Menino Que Queria Voar
Lucai – Artes Integradas
30 de setembro | sábado |16h
duração: 45min
classificação: LIVRE
Valor do ingresso: R$ 30 (inteira) R$ 15 (meia)

Pedro tinha uma vida comum. Rapaz honesto e trabalhador acordava todos os dias junto com o sol, tomava o seu café e saía para o trabalho em sua bicicleta. Seus dias eram totalmente iguais. Até que um dia o inédito o visita. Não que ele tenha permitido, mas é que se trata de uma questão de sobrevivência: ou Pedro se reinventa, ou deixará de existir. Pedro se reencontra consigo mesmo enquanto ainda era um adolescente cheio de sonhos e coragem. Isto daria a Pedro a chance de pensar em tudo o que está fazendo da sua vida e tudo aquilo que deixou para trás. Texto de Larissa Raton e direção de Fábio Borba.

Sancho Pança – O fiel escudeiro
Tropa Trupe
1/10 | domingo | 16h
duração: 50 min
classificação indicativa:  Livre
valor do ingresso: R$ 30 e R$ 15

Internado em um manicômio por jurar ser o fiel escudeiro de Dom Quixote, o palhaço
Piruá se coloca na pele e alma de Sancho Pança na esperança de reencontrar de o valente cavaleiro de La Mancha. Porque os heróis de hoje estão atrasados com as causas que defendem. Voltam os heróis de sempre. Voltam Sancho Pança e Dom Quixote, sim, nessa ordem. Que ladram os cães do poder e o sistema prepare seus moinhos midiáticos.

De Sol, de Céu e de Lua
Teca Teatro e Baú produções
8/10 // domingo  // 11h
Valor do ingresso: R$ 30 e R$ 15
Duração: 40min
Classificação indicativa: para bebês e crianças a partir de 6 meses
Local: Cabaré dos Novos

De sol, de céu e de lua segue firmemente o gênero lírico que, ao se encontrar com o dramático, está impregnado de nonsense,utilizado como importante recurso na desconstrução do discurso articulado, ampliando as possibilidades de leitura tanto para os espectadores da primeiríssima infância, quanto para os adultos configurando-se num espetáculo para toda a família.

ES:CA:PE 3.0 | Vilerê
ERA Game Studio e Bêabá Produção e Marketing
7 e 8 de outubro // sábado 16h e domingo 15:30h
valor do ingresso: R$ 30 e 15
classificação indicativa: 11 anos
duração aprox.: 90 min

Thomas e Alissa se deparam em uma sala misteriosa e com suas memórias confusas. Trata-se de um experimento da empresa Motriz, entretanto as memórias do passado de cada um continuam incertas. Não sabem sequer se foram parar ali por vontade própria. A história é aos poucos revelada de acordo com as ações tomadas pelo público que tem como objetivo libertar os personagens da sala. De maneira intrigante, os personagens recebem os comandos da equipe. Para descobrir o desfecho da história, os jogadores precisam ser rápidos. Eles têm 20 minutos para conseguir avançar para a próxima etapa e só assim mais da história é revelado. O espetáculo é dividido em 3 fases. Direção: Ana Antar.

Bate-papo: brincando com artes e tecnologias
com Nelson Preto, Beth Rangel e Lynn Alves
7 de outubro // sábado // 14h
Cabaré dos Novos

O Cordel de Maria Cin-DRAG-Rela
Teca Teatro e Haus of Gloom
12/10 //quinta-feira // 11h
classificação indicativa: a partir de 7 anos
duração: 60min
valor do ingresso: R$ 30 e 15

Maria Cindragrela vive no interior do nordeste. Na sua casa vieram morar sua madrasta (Germana) com duas filhas do seu primeiro casamento: Anastácia e Griselda. O pai de Cindragrela morreu logo depois do casório e Cindragrela tornou-se escrava do lar. Ela tem três amigos bichos: O calango Tião, a galinha Januária e a cabrita Açucena, com quem divide suas tristezas e sonhos. Tudo muda, porém, quando o filho do Coronel Moura - o Coronelzinho – volta de sua vida de viajante aventureiro (muito a contragosto) para a casa do pai que quer lhe obrigar a tomar conta dos negócios, que case com uma moça da redondeza e que lhe dê netos. Para tanto, lhe organizou um forró no dia de sua chegada. Cindragrela não conseguiu terminar seus afazeres diários a tempo de arrumar sua roupa pra ir ao forró, mas ela contou com uma ajuda mágica: a Drag Madrinha, que a ajudou a chegar no forró e encantar o Coronelzinho, mas somente até meia-noite quando...

VILERÊ EM FESTA
Homenagem a Adroaldo Ribeiro Costa, mostra das oficinas, contação de histórias e show de encerramento com ROCK FAMILY
12/10 // quinta // 15h
classificação: LIVRE
duração: 1h30
valor do ingresso: R$ 30 e 15

o Vilerê em Festa encerrando o festival,  com uma homenagem a Adroaldo Ribeiro Costa ,  apresentação da Mostra das Oficinas, contação de histórias com a editora Caramurê e show de encerramento com o espetáculo cênico musical ROCK FAMILY. O espetáculo é composto de blocos temáticos contrastantes entremeados por cenas curtas pautadas pelo humor (às vezes ácido) e cujo repertório rock'n'roll cobre quase 50 anos (desde os Beatles dos anos 60, e se demorando um pouco mais no Rock Brasil dos anos 80 e 90, chegando ao Indie de Tulipa Ruiz). A Banda Discoteca é a primeira incursão francamente musical do Grupo Teca Teatro, que em mais de uma década dedicada ao público infantojuvenil (desde bebês), traz além do casal que dirige artisticamente o grupo/banda, a sua filha Zizi Comin, que com 7 anos fez sua estreia profissional, neste espetáculo concebido com muito amor para contemplar os mais diversos arranjos familiares. Em "Rock in Family" as crianças se divertem com o astral do repertório e com a interação das atrizes-ator/cantores. Já os pais se divertem duplamente por estarem com suas crias curtindo um ambiente musical tão seu.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Projeto Yanka Rudzka oferece oficinas de dança nos dias 8 e 9 de setembro


Nos dias 8 e 9 de setembro, o Vila recebe quatro oficinas de dança oferecidas pelo projeto "YANKA RUDZKA. Gestos e traços", que possibilitou a viagem de bailarinos baianos à Polônia para a continuidade de um intercâmbio artístico que começou no Vivadança Festival Internacional e resultou na montagem "Semente", com artistas brasileiros e poloneses. Faça a sua inscrição e saiba todos os detalhes clicando neste link.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

"Uma experiência em bioconstruir" é tema da próxima edição das Rodas Permaculturais de Conversa

   

Trocar o tempo do relógio pelo ritmo da natureza é a melhor escolha quando a cidade não atende mais aos nossos anseios. Catarina Carmargo, que há 12 anos encontrou na Bahia seu refúgio natural, apresentará "Uma experiência em bioconstruir" partilhando o seu processo de transição urbano-rural para Rio de Contas, Chapada Diamantina.

O município de Rio de Contas vem se consolidando como um espaço fértil para as linguagens artísticas e criação de uma cultura sustentável, potencializado por um coletivo de permacultores que realizam projetos, cursos e vivências em permacultura.

No IPB, atualmente Catarina é coordenadora do Projeto Águas do Paraguaçu que desenvolve  ações de restauração ecológica na microbacia do córrego Ibicoara, município de Mucugê-BA, recuperando áreas degradadas e incentivando a agroecologia junto à comunidade local.

"Uma experiência em bioconstruir" será o tema do próximo Rodas Permaculturais de Conversa que acontece dia 04 de setembro, no Espaço Cabaré do Teatro Vila Velha, à partir das 19h, com abertura do portões às 18h30min.

SERVIÇO
Rodas Permaculturais de Conversa: "Uma experiência em bioconstruir"
04 de setembro, segunda-feira à partir das 19h (com abertura do portões às 18h30)
Cabaré dos Novos, Teatro Vila Velha
Pague quanto quiser

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Últimas semanas de inscrições para as Oficinas Livres

Mostra da Oficina de Teatro para Iniciantes ministrada por Chica Carelli, em janeiro de 2017. Foto Lais Andrade


O Teatro Vila Velha realiza inscrições para as Oficinas Livres, que oferecem cursos de duração de dois a três meses para quem deseja experimentar ou se aprofundar no universo das artes. As aulas acontecem a partir de 16 de setembro e as inscrições podem ser feitas pelo site www.sympla.com.br/teatrovilavelha ou presencialmente na bilheteria do teatro, que funciona de terça a sexta, das 15h às 18h.

São oferecidas as oficinas "Teatro para Iniciantes" com Zeca de Abreu, "Oficina de Teatro: da Improvisação ao Texto" com Chica Carelli, "Preparação do ator" com Bertho Filho, "Canto" com Marcelo Jardim e "Laboratório de arte de rua" com Vanda Cortez. O público das oficinas varia de jovens a partir de 14 anos a adultos. Os participantes terão direito a certificado.


Oficinas Livres
Inscrições pela internet (clique aqui) ou presencialmente na bilheteria do teatro (terça a sexta, 15h às 18h)